2007-05-26

Ensaio sobre o Fim

agoniza o menino,
perante a platéia sedenta
que gargalha histericamente,
jogando tomates sobre o seu cadáver

e há alguns minutos atrás,
este mesmo menino brincava de pique-pega,
e gozava a sua breve juventude

os paralelepípedos frios,
lhe servem de cobertor
nesta noite lúgubre

o sereno toca os seus braços
miúdos

a sua agonia é o meu poema,
desgraça que me faço,

cena mal ensaiada
de um elenco cretino,

ensaio sobre o fim.

2 comentários:

Antônio Alves disse...

Um poema carcomidamente belo.

Antônio Alves

Bruna Maria disse...

"De nossas escolhas" é absurdamente bonito. Parabéns!