2007-09-10

Outonal

Escrevo sobre as ruas enlamaçadas
que escondem os versos
que ali enterrei,

escrevo sobre este tempo imprevisto
e soturno
que me serve de lar,

recito as notas e cantos,
me curvo ante as semanas,
me ilumino perto das vigas
que erguem pontes e derrubam
corpos,

escrevo sobre as igrejas,
vazias e alagadas,
que sepultam a fé,

escrevo sobre as varandas,
que se banham de folhas,
deste outono pungente,

ouço a brisa que corta
as árvores,
a sinfonia silvestre que exala
dos campos,
a mágica serena que rodeia
o luar,

e me calo,
perante os faróis
que derramam ruídos
sobre a velha cidade.

2 comentários:

Rabuja disse...

Que bom ler o poeta de volta...
Abs
Rabuja

Fabio Rocha disse...

Gostei das imagens. Abração