2008-09-01

fotoseqüência n°: 07

Retrato I- Quando é noite ainda

Queima a arte
e pulsa a matéria.

Os poetas riem,
e as putas cobram.

Retrato II- Réquiem

Delira a dor
que se converte em voz.

Subitamente,
um corpo gira.

Retrato III- Da verdade

Não mais desejo,
quem dirá paixão.

E vomitam sangue
num prato sem cor.

Retrato IV- Ensaio para um epílogo

Não serão desatinos,
pois haverá depois.

Os poetas fedem,
e as putas cobram.

3 comentários:

Tainá disse...

a eternidade dos retratos
:)

valacomum disse...

Bom poema, gostei do modo como ele está estruturado. Os poetas fedem e as putas f..., quer dizer, cobram, com certeza.
Abraço,
David.

Thais Michele Rosan disse...

Adorei o seu blog, muito bom o poema!


;)

bju